Essa É A Preferência Do PSOE

Essa É A Preferência Do PSOE
Essa É A Preferência Do PSOE

O inconveniente principal que está impedindo de avançar é o interesse de Igrejas, por ter taxa de representação no Conselho de Ministros. O PSOE, em troca, se opõe de maneira férrea a criar um Governo de coalizão e só oferece a Podemos ocupar cargos intermediários pela Administração e propor nomes de independentes, como ministros. E foi acordado um comitê de negociação formado por a porta-voz no Congresso, Adriana Lastra; a ministra das Finanças em exercício, Maria de Jesus Montero, e os membros do Executivo Federal, Francisco Salazar e Maria Luz Martínez Seijo.

Se Igrejas aceita negociar um programa de legislatura e, conforme você vai avançando você poderá comparecer concretizando a oferta de Sanchez pra que os ‘roxos’ ocupem postos intermédios na Administração, porém fora do Conselho de Ministros. O PSOE ainda não foi esclarecido se ele estaria disposto a ceder Secretarias de Estado.

No recinto do presidente há quem defenda que os ‘roxos’ não passem de direcções-gerais, pelo motivo de os secretários de Estado e subsecretários têm acesso e preparam os conteúdos dos Conselhos de Ministros. Assim as coisas, Sánchez enfrenta sua quinta reunião com as Igrejas, com a promessa de conseguir que os ‘roxos’ rebajen sua posição de demandar a entrada no Conselho de Ministros, diante da ameaça de uma repetição eleitoral.

O candidato está esperando que Igrejas rebaixe suas posições visto que façam a bater nele com as sondagens que prevêem uma queda de tua formação, pra que a cidadania poderia culpar do bloqueio institucional. Outro item que poderia forçar o líder dos ‘roxos’ a mover sua posição seria a circunstância de que a plataforma de Iñigo Errejón mostrar-se nas eleições de novembro e possa reduzir a Podemos à tua mínima expressão. O líder socialista opõe-se frontalmente a formar um Governo de coalizão com nós Podemos por a falta de confiança que existe entre ele e Pablo Iglesias. Sánchez admitiu que, em caso de incluí-lo em teu gabinete, teria 2 governos, em vez de um, e se perderia a coerência.

Um dos assuntos mais sensíveis em que mantêm considerações divergentes, tem que enxergar com a crise de independência da Catalunha. Aqui Igrejas tem dado passos afirmando publicamente que será leal com o Governo nessa dúvida. Mas o PSOE estão esperando pra visualizar como concreta Igrejas esta garantia. A catalunha será, porque, uma das questões que concentrar boa fração do bate papo entre os 2 líderes, que são visualizadas no Congresso dos Deputados.

Igrejas, por tua vez, espera que seja Sánchez o que ceda, ao achar que os ‘roxos’ imediatamente se moveram, a título de exemplo, no que diz respeito à Catalunha. O líder Podemos segue incidindo em que o Governo da cooperação, que coloca Sánchez não existe em nenhum espaço do mundo, onde são mais comuns os executivos de coalizão.

Por isso, proporá ao presidente do Governo em funções uma negociação “integral” do programa, porém bem como de equipes de governo, por causa de “no momento em que os programas não vão acompanhados de equipes de governo, ficam em papel molhado”. À tarde, Sánchez assim como se reunirá no Congresso com o presidente do PP, Paulo Casado. O líder Local, Albert Rivera, se já tiver excluído desta rodada, apesar de Sánchez também convocou.

  1. Oitenta e dois Por gentileza
  2. como o cavaleiro das armas cristalinas foi para a Gruta do Centauro
  3. Na Copa Colômbia: 7.º (2009, Segunda Fase)
  4. 31 Re. Lúcio Julho Libón
  5. um Lugares históricos
  6. Secundária, reforma disciplinas, inglês…

O PSOE segue reivindicando a abstenção do PP e do Local para que a investidura de Sánchez não saia de frente com a necessária abstenção dos independentistas da ERC e Bildu, que concordaram em votar o mesmo. Essa é a preferência do PSOE, um Governo progressista estabelecido com que Podemos dê a rolar com a abstenção de PP e Cidadãos, os que procurará pra grandes pactos de Estado.

no entanto, nem PP ou Cidadãos estão dispostos a conceder essa abstenção se Sánchez soma os votos suficientes pra recolher a investidura e com o apoio e Podemos, PNV, as linhas de portas, PRC e a abstenção de DRC e Bildu. O contrário equivaleria a renunciar a uma de tuas armas na oposição: que Sanchez se apoie no autonomia, apesar de que o PSOE sustenta por ativa e passiva que não lhes dará nada em troca.